Lisandro aponta falta de vacinas de febre amarela e abandono de veículo do CCZ

Vários susanenses não conseguiram se vacinar devido à falta de doses; carro que poderia transportar animais está se deteriorando 

O vereador Lisandro Frederico (PSD), o Lisandro da ONG PAS, cobrou da Prefeitura de Suzano que os postos e centros de saúde da cidade voltem a oferecer vacinas contra a febre amarela. Segundo ele, muitos susanenses não estão conseguindo se vacinar devido à falta de doses.

“Estamos às vésperas do Carnaval, período em que milhares de moradores de Suzano viajam para diferentes pontos do País e com o surto da doença em estados como Espírito Santo, Minas Gerais e Rio de Janeiro, as chances de um susanense ser contaminado aumentam consideravelmente e é este o principal motivo de a imunização voltar a ser oferecida”, disse Lisandro durante a sessão na Câmara Municipal nesta quarta-feira (08).

Para que a pessoa não corra riscos de contaminação é preciso receber a vacina com dez dias de antecedência da viagem para os locais que registraram casos de febre amarela. O vereador protocolou um requerimento questionando a Prefeitura sobre quando a vacina será disponibilizada em todos postos de saúde novamente.

A Secretaria Municipal de Saúde informou recentemente, em nota enviada à Imprensa, que pediu o reforço das doses ao Grupo de Vigilância Epidemiológica (GVE), órgão vinculado à Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo. “É fato que a procura pela vacina aumentou consideravelmente e entendemos que a atual administração ainda está em um período de transição, porém, é preciso dar uma maior atenção a casos como este”, afirmou Lisandro.

ABANDONADO
Ainda durante a sessão na Câmara, o vereador solicitou que a nova diretora do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ), Maria Cristina Perim, o acompanhe em uma visita ao estacionamento da Prefeitura, onde está um veículo do CCZ abandonado. “Embora a diretora tenha dito que o CCZ não possa oferecer veículos para transportar animais, não foi necessário ir longe para ver que é preciso apenas um pouco mais de boa vontade e comprometimento para colocar em prática ações que beneficiem a população”, criticou.

“O veículo poderia estar sendo utilizado, mas se continuar daquele jeito, vai se deteriorar cada vez mais. A reflexão serve, principalmente para o CCZ, mas pode ser estendido a todos os outros órgãos municipais: os problemas não podem ser empurrados, mas sim resolvidos”, disse Lisandro ao fazer referência sobre o retrocesso que poderia ocorrer, caso a proposta da diretora do CCZ de tirar da Secretaria Municipal de Saúde e repassar à pasta do Meio Ambiente o resgate de animais e os programas de castração a serem implantados no município.