Projeto permite que SAMU leve pacientes com plano de saúde a hospitais privados

O vereador suzanense Lisandro Frederico apresentou um projeto de lei na Câmara Municipal, o qual autoriza que o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) leve pacientes com plano de saúde a hospitais privados. A medida, segundo explicou o parlamentar, vai diminuir a sobrecarga de atendimentos nos hospitais públicos de Suzano.

A proposta não determina que todos os suzanenses com convênio médico sejam socorridos às instituições privadas. “As pessoas atendidas pelo Samu terão a opção de escolher se preferem ser removidas ao hospital particular atendido pelo plano ou se seguem para a unidade hospitalar pública de referência”, explicou o Lisandro.

Para que haja a indicação do local, o paciente, evidentemente, deverá estar consciente e em condições de manifestar a opinião. Quando não houver condições de manifestação direta da pessoa socorrida, um familiar de primeiro grau poderá fazer esta escolha. “Mesmo que exista a sugestão de uma unidade particular, a definição dependerá única e exclusivamente da equipe do Samu, que avaliará o estado físico do paciente, levando em consideração a gravidade do caso e a proximidade do hospital particular indicado”, afirmou Lisandro.

Atualmente, quando o Samu é acionado em casos de emergência e presta os primeiros socorros, o paciente é encaminhado ao hospital público de referência, onde o paciente possa ter o atendimento necessário.

Durante a elaboração do projeto, Lisandro conversou com integrantes do Samu e especialistas na área de gestão de saúde pública. “Os técnicos não se opõem em levar o paciente ao hospital particular. O que ocorre, na maioria das vexes, é que a unidade do plano de saúde não tem a estrutura necessária para receber aquele tipo de atendimento”, contou Lisandro.

“Este projeto foi elaborado no sentido de regulamentar o procedimento de escolha, desde que o paciente tenha condições clínicas para optar e o hospital tenha condições de receber, sempre levando em consideração a autoridade maior neste tipo de ocorrência, que é a equipe assistencial”, finalizou Lisandro.

A proposta foi apresentada na Câmara Municipal, segue para as comissões permanentes e depois irá para a votação no plenário.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.