Vítima de fake news, Lisandro vai processar autores

Mentira foi difundida nas redes sociais por um servidor municipal comissionado; pena pode chegar a três anos e meio de detenção, mais multa  

O vereador Lisandro Frederico vai processar quem criou e quem propagou mais uma fake news divulgada com a tentativa de prejudicar o trabalho parlamentar que vem realizando na Câmara Municipal. Ele acionou o departamento jurídico do Legislativo para entrar com um processo por danos morais (calúnia, difamação e injúria). A pena pode chegar a três anos e meio de detenção, mais multa.

Inicialmente, a mentira foi difundida nas redes sociais por um servidor municipal comissionado. O servidor envolvido no boato apagou a postagem, mas o texto já havia “viralizado” no WhatsApp e em outros perfis do Facebook. Após apagar a publicação, o servidor publicou um novo texto, mas sem desmentir os fatos.

A notícia falsa dizia que Lisandro teria denunciado um protetor de animais independente, de 67 anos, que atua no distrito de Palmeiras. Após a suposta denúncia, uma multa de R$ 15 mil teria sido aplicada pela Polícia Ambiental. “O protetor em questão recebeu sim uma multa, porém, ao invés de ter denunciado eu estou o ajudando há vários anos”, afirmou Lisandro.

“Quando ele foi notificado sobre a multa, eu fui o primeiro a ser procurado, devido à amizade que temos. Conheço este protetor muito antes de iniciar o mandato”, lembrou Lisandro. “Considerei a multa um absurdo, porque o que ele precisa é de ajuda e não de uma punição. Disse a ele que procuraria um advogado para ajudá-lo e comecei a intermediar uma solução com a Prefeitura, mas, mais uma vez, nada foi feito”, afirmou.

A denúncia contra o protetor de animais de Palmeiras foi feita pelos próprios vizinhos. “O local onde os animais estão tem problemas e é na solução deles que tenho me empenhado. Eu, a ONG PAS (Projeto Adote Suzano) e demais protetores da cidade temos ajudado com castrações, medicamentos, ração, enfim, temos feito o possível para minimizar os impactos para o próprio protetor e os vizinhos”, descreveu Lisandro.

Lisandro disse que, a fim de ajudar este protetor, que tem renda de R$ 630,00 mensais, além de processar quem criou e quem divulgou a fake news, acionará os Conselhos Municipais do Idoso, de Desenvolvimento e Assistência social, e de Saúde, além da Ordem dos Advogados do Brasil e, ainda, fará uma representação no Ministério Público (MP). “Ele não pode mais ficar à mercê da inércia desta Prefeitura que, ao escolher um servidor comissionado que usa de expediente tão baixo, demonstra que prefere propagar uma mentira ao invés de buscar melhorar a vida das pessoas”, criticou.

“Gostaria de ver este mesmo esforço e empenho dos servidores comissionados na hora de criar fake news, na busca por soluções dos problemas da nossa cidade”, frisou Lisandro.